Fechar Menu [x]

Especial: Malcolm X – Uma Vida de Reinvenções

Leonardo Cássio | Literatura 24/02/15 - 11h Leonardo Cassio

malcolm-x-banner-black-power

Há certo ar de misticismo em torno da vida do ativista Malcolm X. Umas das personalidades públicas mais conhecidas da sociedade norte-americana, Malcolm cravou seu nome na história dos Estados Unidos graças a sua intensa luta a favor dos negros americanos, deixando um legado que perdurará por décadas e mais décadas.

Este 21 fevereiro de 2015 marcou 5 décadas do assassinato de Malcolm e, após tanto tempo, as questões raciais nos EUA ainda estão longe de serem resolvidas, apesar de terem claramente avançado, muito devido ao empenho de X e outros importantes homens que, como ele, buscaram a igualdade racial.

Entre os muitos materiais disponíveis sobre a vida de Malcolm, nenhum é tão completo quanto a biografia “Malcolm X – Uma Vida de Reinvenções”, um projeto extenso e completo feito pelo pesquisador acadêmico Manning Marable, especialista em culturas afro.

O livro desconstrói a autobiografia de Malcolm, obra até então mais completa sobre sua vida, corrigindo fatos importantes, atenuando exageros e acrescentado passagens omissas do grande público. O livro, finalizado em 2011, apresenta a epopeia que foi a vida de Malcolm Little, nome original de X, desde sua infância pobre, seguida pela delinquência e prisão, até sua conversão ao Islã e sua crescente luta pelo Nacionalismo Negro, que culminou na busca pelos direitos civis.

Homeboy, Jack Carlton, Detroit Red, Big Red e Satan são alguns apelidos ou codinomes da época em que Malcolm trafegava pelas ruas de Boston e do Harlem, em Nova York, cometendo furtos e pequenos roubos para sobreviver. Chegou ao tráfico de drogas e envolvimentos com prostituição, com um polêmico possível caso homossexual, culminando em encarceramento após a delação de uma ex-namorada.

A prisão foi paradoxalmente o ponto de virada na vida de Malcolm. Mentorado, o detento passou a devorar livros e mais livros e tomou contato com o Islã, obtendo uma perspectiva nova sobre sua condição. A pobreza e o ódio racial alimentados desde os primórdios de sua vida agora tinham como ser combatidos.

Malcolm-x-livroMalachi Shabazz, Malik Shabazz, El-Hajj Malik El-Shabazz e Malcolm X são os nomes adotados após a conversão ao Islã. X entrou para a controversa Nação do Islã, liderada por Elijah Muhammad, que se autointitulava o próprio Maomé na Terra. Na NOI (sigla em inglês – Nation of Islam) Malcolm X tornou-se um dos maiores oradores do mundo e consolidou suas principais ideias sobre os conceitos raciais. A ideologia da Nação era de que o segregacionismo racial era o caminho para os negros convertidos ao islamismo. A instituição não permitia o envolvimento político, era sectária e ortodoxa, utilizava métodos manipuladores e violentos e foi alvo de investigação do FBI por anos. Malcolm X foi um dos principais ministros da NOI e trouxe um número enorme de novos seguidores. Foi nessa época que cresceu como líder e firmou-se como intelectual revolucionário.

Malcolm assimilou a ideologia segregacionista e tornou-se um ativista truculento. Admitiu estratégias obcenas ao se aproximar da Ku Klux Klan para concretizar a separação total entre brancos e negros. Na mesma época, Martin Luther King também despontava como líder de movimentos sócio-raciais. Diferentemente de X, King pregava a dessegregação racial, a luta pelos direitos civis dos negros americanos e uma política pacifista em busca da inclusão. Malcolm era adepto da violência e da total separação racial, divergindo da NOI apenas com relação à questão política.

Após uma briga no epicentro da NOI e outras questões pessoais, Malcolm X fez uma longa peregrinação pelo Oriente Médio e África, o que culminou em outra virada de perspectivas em sua vida. Lá, segundo próprio relato, ele viu que a religião abraçava brancos, negros e orientais, homens e mulheres, sem haver diferenciação racial ou de gênero, sobrepondo-se a fé e amor.

O impacto foi tão grande que Malcolm atenuou suas opiniões, mudando o foco segregacionista para o da inclusão e passou a lutar pelos direitos civis do negro americano, não apenas dos membros da NOI.

Aproximou suas ideias com as de King, tornou-se, para o Oriente Médio, o maior difusor do Islamismo na América e acabou por enfraquecer a NOI (que não era aceita no islamismo verdadeiro). O resultado foi uma intensa perseguição por parte da organização. Malcolm prosseguiu seu trabalho até ser assassinado em um comício no Harlem, Nova York, aos 39 anos.

Três integrantes da NOI foram presos pelo assassinato e a ela nunca mais teve a mesma representatividade após a morte de Malcolm X que, com status de mártir, passou a influenciar jovens negros e brancos no mundo todo, em busca de igualdade racial, sendo o grande inspirador do movimento Black Power, notoriamente conhecido pelo gesto do punho cerrado para o alto.

“Malcolm X – Uma Vida de Reinvenções” mistura biografia, ciência e história política sem nunca apelar para exageros. Com o intuito de completar e corrigir deslizes do autobiografia feita por Alex Haley, o livro de Marable desmistifica a figura santificada de Malcolm, mostrando aspectos sombrios de sua vida, mas o coloca corretamente como figura ímpar e imprescindível para a política e história norte-americana.

Marable entendeu que um indivíduo tão complexo e paradoxal não é fruto de incoerências e modismos. Com um objetivo claro, Malcolm teve de se reinventar uma série de vezes para chegar aonde chegou. E essa investigação, que consumiu 10 anos da vida de Marable e colaboradores, resultou em um livro denso, bem desenvolvido e honesto.

O livro foi agraciado em 2012 como o Prêmio Pulitzer, o mais importante do mercado dos EUA de literatura e jornalismo. A tristeza é que Marable morreu três dias antes do lançamento do livro em 2011 devido a complicações resultantes de transplante de pulmão que sofreu um ano antes. Contradições até o final.

No site oficial de Malcolm X (em inglês) é possível ver vídeos de alguns de seus célebres discursos, entre outros conteúdos interessantes.

Malcolm X – Uma Vida de Reinvenções
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2013
Número de Páginas: 642
Valor: R$73,00

Tags: , , , , , ,

COMPARTILHE ESTE POST

COMPARTILHE

COMPARTILHE

Leonardo Cassio

Leonardo Cassio

Sócio-diretor da Carbono 60 - Economia Criativa, Leonardo Cassio é publicitário, jornalista e amante da sétima arte. Lê de mangá a física quântica e tem uma tatuagem do Pearl Jam.

RELACIONADOS