Fechar Menu [x]

#ApostaCult: A Arte Solidária e Humanizadora da Cia dos ClownAticos

Adriano Tardoque | APOSTACULT | Artes e Espetáculos | Leonardo Cássio | Multicultural 08/04/15 - 10h Leonardo Cassio

clownaticos-banner

#ApostaCult é uma série de matérias que apresentará promessas e talentos que estão despontando nas áreas das artes, cultura e economia criativa. A série foi aberta com uma matéria sobre o dramaturgo, escritor e produtor teatral William Costa Lima (confira aqui).

A bola da vez é a Cia dos ClownAticos – Arte, Solidariedade e Humanização, uma companhia de clowns (palhacinhos) criada em setembro de 2014 pelo advogado e ator Alexandre Cardoso, cujo objetivo é o desenvolvimento e aperfeiçoamento artístico, solidário e humanitário de seus voluntários. A missão da Cia é produzir e apresentar espetáculos teatrais com o intuito de arrecadar donativos para instituições e comunidades carentes parceiras da própria Cia. e, no dia da entrega dos donativos, eles apresentam um espetáculo teatral exclusivamente aos assistidos das instituições carentes, agregando amor, respeito ao próximo, carinho e esperança. Não é uma simples entrega: é a transformação daquele local onde os assistidos residem, com mais emoção e muita felicidade.

Na entrevista a seguir, o idealizador e presidente da Companhia conta como começou o projeto, o que motivou e aonde quer chegar com ele:

[CULT CULTURA | Leonardo Cássio] Alexandre, qual sua formação artística?
[ALEXANDRE CARDOSO] Sou ator de formação e palhaço. Dentro da companhia, além de atuar, desenvolvo algumas outras funções, como dirigir e produzir. Direção e Produção são as áreas das quais eu mais gosto. Minha paixão é criar e acompanhar o desenvolvimento de cada detalhe dentro da nossa Cia!

[CULT CULTURA | Leonardo Cássio] Os ClownAticos é uma Cia de teatro voltada para o social. Como surgiu essa ideia? Você já participou de algum projeto similar?
[ALEXANDRE CARDOSO] Sim, os ClownAticos é uma Companhia teatral de clowns na qual produzimos e apresentamos espetáculos teatrais em locais apropriados, como teatros, clubes, Escolas, Sescs e afins. Para nos prestigiar, basta doar um donativo específico para cada temporada, de acordo com a necessidade da instituição parceira da Companhia.

A ideia surgiu com a junção de duas paixões que eu tenho: a Arte e a Solidariedade, a vontade ajudar o próximo. Com isso, idealizei esse projeto e fundei a Companhia. Depois, convidei alguns amigos malucos para me ajudar. Alguns não acreditavam que iria dar certo, acho que não acreditam até hoje (risos). Outros abraçaram a causa e estamos aí, alegrando, arrecadando e doando muito amor e carinho a quem precisa. Graças a Deus está sendo um sucesso! Até agora, já temos números bem expressivos de doações. Já arrecadamos mais de 16 mil fraldas para duas instituições parceiras da nossa companhia.

Ainda temos uma vertente de oficinas nas instituições: a Companhia ministra oficinas didáticas nas instituições carentes, incentivando e ensinado alguma expertise que possa transformar a vida da criança, através de aulas de teatro, dança, música, artesanato, pintura, fotografia e literatura, todas elas ministradas pelos nossos voluntários.

[CULT CULTURA | Leonardo Cássio] Todos os atores da Cia são voluntários?
clownaticos (6)[ALEXANDRE CARDOSO] Sim, todos os clowns são voluntários. Fazemos esse trabalho com muito amor e com um único objetivo: deixar um legado de amor, paz e solidariedade à humanidade. Atualmente, existem três categorias de voluntários na Companhia: o Apoiador Anjo, que é aquele que ajuda nas divulgações, arrecadações e doações; o Voluntário Anjo, que já é membro efetivo da companhia, participa ativamente de todas as ações, campanhas de arrecadações, entrega dos donativos e das oficinas didáticas através dos núcleos; e os Clowns, que também são membros efetivos da companhia, realizam todas as funções dos demais voluntários e as apresentações dos espetáculos. Lembrando que não há hierarquia e diferença entre os voluntários, todos são iguais.

[CULT CULTURA | Leonardo Cássio] Como ocorre o processo de entrada no grupo?
[ALEXANDRE CARDOSO] Todas as pessoas que quiserem se tornar um voluntário, trabalhar nas campanhas de arrecadações, nos teatros sendo clowns, nas oficinas didáticas através dos nossos Núcleos e – o mais importante – ajudar o nosso próximo com respeito e amor, está apto a se tornar um ClownAtico. Para entrar, basta enviar um e-mail manifestando seu interesse para cadastro.clownaticos@gmail.com. A partir disso, começa o processo de seleção do voluntário à nossa Cia, finalizando no envio de informações para efetivação o cadastro, a data e o local para participar do encontro dos anjos.

O “ENCONTRO DOS ANJOS” é um encontro com todos os voluntários que querem ingressar em nossa Cia. Dura um dia inteiro, no qual iremos nos conhecer melhor, conhecer profundamente a Cia, seus conceitos, ideais e missão. É uma etapa mandatória para o ingresso de qualquer voluntário. Vivenciaremos momentos emocionantes e muito felizes. Não podemos contar mais senão perde a graça, mas te garanto que será um divisor de águas em sua vida, se, de fato, a pessoa se entregar e se permitir! Ficou curioso? Quer ser um voluntário? Envie um e-mail e permita-se vivenciar momentos inesquecíveis conosco (risos). Venha! Venha!

[CULT CULTURA | Leonardo Cássio] Há alguma metodologia específica na montagem dos espetáculos? A partir do que eles são concebidos?
[ALEXANDRE CARDOSO] O processo de criação e produção da nossa Cia é coletivo. Fazemos isso em nossos ensaios, com todos os palhaços pensando e criando. Cada palhaço traz a sua ideia e vivência, apresenta para o grupo e evoluímos a ideia, absorvemos o que é bom, descartamos que é ruim e, a partir daí, a gente apropria e aprimora cada cena, cada detalhe para o nosso viés de espetáculo, cabendo ao diretor – no caso, eu (risos) – compilar, elaborar o roteiro e “clownesticar”, transformar para o nosso espetáculo. Feito isso, ensaiamos e apresentamos… Fácil e divertido assim (risos)!

[CULT CULTURA | Leonardo Cássio] A arte notoriamente é um vetor de mudança social e humana. A Cia se alicerça sobre três pilares: arte, humanização e solidariedade. Como acontece, na prática, a humanização através da arte?
clownaticos (22)[ALEXANDRE CARDOSO] Constituímos esses três pilares que nos norteiam em tudo que Cia faz. Acreditamos muito na evolução dos seres humanos e sabemos que isso é possível, pois nós, voluntários da Cia, somos prova disso, de nós mesmos. Acontecendo essa evolução, consequentemente e incondicionalmente conseguimos melhorar o mundo. Na prática, a humanização, seja ela através da arte, dança, música ou pintura, requer muita paciência, comprometimento e muita doação de amor, pois não é nada fácil quebrar paradigmas e conceitos já estabelecidos.

Mas quando isso acontece, quando conseguimos tirar um sorriso, por mais rápido que seja, de uma criança em um de nossos espetáculos, em uma de nossas entregas, ou em um de nossos núcleos, pra nós já valeu todo o esforço, pois sabemos que esse momento será perpetuado por essa criança e que seremos, ainda que rápida e ilegível, uma lembrança perpétua na cabecinha dela. Pra nós, é a concretização da nossa missão e não tem preço que compre isso.

[CULT CULTURA | Leonardo Cássio] Quais instituições já foram assistidas pelos ClownAticos?
[ALEXANDRE CARDOSO] Já atendemos a Casa Hope, a Associação Beneficente Cantinho Meimei, uma comunidade carente situada na cidade de Bragança Paulista, e estamos em negociação com mais três instituições que ainda não podemos divulgar, mas, em breve, com certeza vocês saberão!

[CULT CULTURA | Leonardo Cássio] Até onde os ClownAticos querem chegar?
[ALEXANDRE CARDOSO] Nós queremos concretizar a nossa missão a cada dia, com muito amor e comprometimento, deixando um mundo melhor para os nossos netos e bisnetos, deixando, de fato, um legado de solidariedade e amor para o mundo. Esse é o lugar aonde queremos chegar. Agora, falando geograficamente, temos um cronograma para apresentar o nosso espetáculo, com o objetivo de levar amor, carinho e, claro, donativos, às crianças africanas. Muita gente não sabe, mas o Sudão é o país com o maior número de crianças soldados, é um país da África bem polêmico. Não sabemos se iremos concretizar o cronograma, mas que nós vamos, ah!, isso nós vamos! (risos)

[CULT CULTURA | Leonardo Cássio] A Cia desenvolve algum outro trabalho paralelo às apresentações nas instituições? Há alguma outra atividade?
[ALEXANDRE CARDOSO] Sim, desenvolvemos e aplicamos oficinas didáticas, conforme comentei acima. Promovemos Oficinas Didáticas nas instituições carentes através de Núcleos com um único objetivo: incentivar e despertar novas visões e perspectivas para o futuro daquelas crianças, através da arte, leitura, pintura, dança, música e fotografia.

Os núcleos são separados da seguinte forma:

– Núcleo de Arte & Artesanato;
– Núcleo de Dança & Música;
– Núcleo de Fotografia & Pintura;
– Núcleo de Literatura & Ensino.

[CULT CULTURA | Leonardo Cássio] Quais são as próximas apresentações e onde as pessoas podem se informar sobre?
[ALEXANDRE CARDOSO] A nossa próxima apresentação será em Maio e faremos a entrega e apresentação no mesmo dia, com o escopo de transformar o local no qual vivem os nossos assistidos em um local de emoção, amor e prazer! Para receber mais informações de todas as nossas apresentações e ações, curtam a nossa página no Face e/ou envie um email para ciadosclownaticos@gmail.com. Retornaremos com todas as novidades, apresentações e ações.

[CULT CULTURA | Leonardo Cássio] Você se sente uma pessoa inspiradora através de seu trabalho humanitário e artístico?
clownaticos (17)[ALEXANDRE CARDOSO] Na verdade, eu tenho várias inspirações, desde pessoas, músicas, textos, atitudes e condutas, sentimentos, lugares, enfim, tudo que me permite aprender e evoluir, pra mim, é uma inspiração. Com isso, é inerente que inspire outras pessoas.

Nós, da Cia dos ClownAticos, podemos nos considerar inspiradores, mas a companhia só é o que é, hoje, devido aos seus voluntários. Sem eles, nada disso seria possível. Somos uma família de farda Azul e Laranja com um único objetivo: deixar o nosso legado. E o legado dos ClownAticos será propagado pela eternidade, não temos dúvidas disso, pois fazemos um trabalho muito sério e com muito empenho, pautado em um de nossos maiores valores, a ética, o amor e respeito ao próximo, sem vaidade e sem hipocrisia, pois não queremos saber a bandeira que você defende, mas sim o que você tem pra doar aí dentro do seu coração. Se for amor, carinho e respeito ao próximo, estaremos juntos, está apto a se tornar um clownAtico.

[CULT CULTURA | Leonardo Cássio] Faltou algo que queria falar?
clownaticos (9)[ALEXANDRE CARDOSO] Sim, faltou… Gostaria de agradecer, pode? Inicialmente, gostaria de agradecer a Deus por tudo o que aconteceu na nossa Cia até hoje, por ter iluminado as nossas mentes e por deixar os nossos corações infinitamente mais cheio de amor e esperança a cada dia. Em nome da Cia dos ClownAticos, gostaria de agradecer ao Leo, nosso irmão amado e à Thais, nossa queridíssima amiga, pela oportunidade.

Gostaria também de dizer que, se alguém se identificou com a nossa missão, se quiser ter uma satisfação plena de vida, seja um voluntário, venha fazer parte da nossa Cia! Será uma honra receber pessoas de bom coração e com o mesmo objetivo que nós. Nosso muito obrigado.

1º Encontro dos Voluntários Anjos da Cia

Ação na Casa Hope

Casa Hope – Agradecimento

A Cia dos ClownAticos – Arte, Humanização e Solidariedade tem produtos próprios, disponíveis para venda na “Lá de Casa“, uma loja de presente e decoração muito fofa: clique aqui para conhecer os produtos.

Curta a FanPage dos ClownAticos no Facebook: facebook.com/CiadosClownaticos
Para se tornar membro, é só enviar um e-mail para cadastro.clownaticos@gmail.com
Para receber mais informações, entre em contato através do e-mail ciadosclownaticos@gmail.com

Tags: , , , , , , ,

COMPARTILHE ESTE POST

COMPARTILHE

COMPARTILHE

Leonardo Cassio

Leonardo Cassio

Sócio-diretor da Carbono 60 - Economia Criativa, Leonardo Cassio é publicitário, jornalista e amante da sétima arte. Lê de mangá a física quântica e tem uma tatuagem do Pearl Jam.

RELACIONADOS