Fechar Menu [x]

Às vezes o super é ser herói

Juliana Praia | Multicultural 16/10/13 - 02h Juliana Praia

sabara

Às vezes, melhor que lutar contra o mal, é lutar para o bem, o bem de pequenos que acreditam em grandes heróis.

O sonho não pode morrer nunca, a fantasia, o lúdico e, principalmente, o amor, esse sim precisa estar presente em tudo o que fazemos, em tudo que acreditamos.

Duas notícias em um curto período de tempo me chamaram atenção pelo seu conteúdo tão mágico e rico de cuidado com o próximo – coisa que falta em nossos dias.

Tudo aconteceu por uma simples questão de observar o simples e fazer disso algo grandioso, heroico. E foi assim que algumas crianças puderam ver de perto seus super-heróis escalando prédios…

Não foi preciso nenhum superpoder, além da vontade daqueles limpadores de prédios colocarem uma roupa de super-herói e assim passar um dia de trabalho, salvando vidas e uma vez ou outra limpando janelas.

O Hospital Infantil Sabará teve essa iniciativa, que é de tirar o chapéu, de tão simples e tão impactante para quem fica dentro de um quarto de hospital. Durante o mês de outubro, a equipe de limpeza vestiu outro tipo de uniforme e assim fizeram a alegria das crianças internadas que acharam mágico o momento em que seu super-herói passou pela sua janela e, com a maior humildade, a limpou.

Podemos nos esquecer de tudo nessa vida, do dia que viemos ao mundo, do nosso primeiro brigadeiro, mas nunca de quando nos fizeram sorrir.

acOutra notícia que me chamou a atenção foi a questão da superfórmula, uma receita que mistura, amor, remédio de quimioterapia e super poder de cura. O Hospital AC Camargo criou uma roupagem toda especial para o recipiente de medicamentos utilizados no tratamento. E é sério que elas acreditaram que aquilo ali era o superpoder – nada melhor do que nossa fé, seja ela qual for e como venha para ajudar na cura de todos os males.

Uma pausa na matéria: Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), a cada ano são diagnosticados nove mil casos de câncer infantil no Brasil. Contudo, de acordo com o instituto, a taxa de cura chega a 80%.

Acredito ainda que chegaremos a 100%.

Fico aqui com meu texto, com essas informações, essas atitudes de amor com o próximo e a única coisa que consigo afirmar é que precisamos urgentemente ajudar quem precisa. E existem diversas formas criativas e animadoras de fazermos isso. Basta querer!!!

Tags: , , , , , , ,

COMPARTILHE ESTE POST

COMPARTILHE

COMPARTILHE

Juliana Praia

Juliana Praia

Juliana Praia, ruiva, é marketeira por profissão, jornalista por formação e escritora por acaso. É interessada em toda forma de expressão, seja ela cultural, facial ou individual. Adora poesia, por que acredita que as palavras também precisam de enfeite. Não é PhD em nada, mas é especialista em ter consigo uma eterna curiosidade sobre o mundo. Faz voluntariado na Ong Presente de Alegria como palhaço doutora por acreditar no ser humano. Adora escrever sobre tudo que lhe passa pela mente e pelos olhos. Seu ritmo de vida é a música, principalmente a Brasileira, acha a melhor forma de expressão.

RELACIONADOS